JOGO DOS SETE ERROS arte contemporânea
2022

Na pesquisa desta série, desenho e pintura se sobrepõem, se interceptam mutuamente, complementando-se . Estou transitando pelas duas linguagens, buscando o fluxo das forças de ação de cada uma durante o fazer da imagem. As duas linguagens me permitem explorar esse interesse de longa data que é a dualidade das coisas. Se trabalhar com ambas simultaneamente já é uma faceta dessa dualidade,  além disso,  os trabalhos existem aos pares.  Em Jogo de Sete Eros, eu explorei a relação entre as linguagens estabelecendo diálogos sutis formais e simbólicos.

 

Busca visual é o processo que consiste em encadear diversas fixações sucessivas sobre uma mesma cena visual, a fim de explorá-la em detalhe. Esse processo está intimamente vinculado à atenção e à informação: o ponto no qual se deterá a próxima fixação é determinado ao mesmo tempo pelo objeto da busca, pela natureza da fixação atual e pela variação do campo visual. Partindo dessa premissa, o título da série se refere ao jogo que explora o conceito de busca visual. Para jogar é preciso olhar para as duas imagens com muito cuidado. E é esse meu convite: um olhar atento para as imagens que eu apresento lado a lado. Porém, ao contrário do que acontece no jogo, são as semelhanças entre as imagens que são sutis e não as diferenças.

 

A inversão das regras do jogo coloca-se como estratégia para prolongar a busca visual.  Contemplar pede tempo, e quem tem tempo? Pedir o tempo de alguém, é o que me proponho. Não existem literalmente sete erros, existe um pedido velado: pare e observe, de-me seu tempo para além do tempo acelerado contemporâneo.

Além das pinturas, essa série tem um vídeo que reitera a potencialidade narrativa desse conjunto de imagens. Uma narrativa que para operar dentro da lógica de dualidades se estabelece de forma ambígua e dialoga com os desenhos-pinturas da série.